Segunda, 19 de Abril de 2021
54 98128.5277
15°

Poucas nuvens

Bento Gonçalves - RS

Dólar com.

R$ 5,55

Euro

R$ 6,68

Peso Arg.

R$ 0,06

Geral Lembranças

Guris de Kichute

Em sua coluna desta semana, Sergio da Silva Almeida relembra histórias vividas nos campinhos de futebol em terrenos baldios

06/04/2021 09h28 Atualizada há 2 semanas
187
Por: Redação Fonte: Sergio da Silva Almeida
Com o passar do tempo, as cidades foram se transformando e os campinhos – lugares de entretenimento, principalmente dos meninos mais pobres –, foram dando lugar a prédios e casas.
Com o passar do tempo, as cidades foram se transformando e os campinhos – lugares de entretenimento, principalmente dos meninos mais pobres –, foram dando lugar a prédios e casas.

Ler a matéria publicada em um jornal de Cachoeira do Sul do qual sou articulista sobre o projeto “Devolvendo Campinhos”, apresentado por um vereador que pede a implantação de campinhos de futebol em terrenos baldios, me fez viajar em minhas lembranças, de volta aos tempos de guri.

 

Lá pelo fim da década de 1970 e início da 1980, eu tinha entre 12 e 15 anos e integrava o grupo de guris que jogava bolita “a ganhis”, colecionava os cards de jogadores que vinham no chiclete Ping Pong, juntava tampinhas de Coca-Cola para trocar por ioiôs, jogava bola no campinho de terra batida e com traves de taquaras que ficava algumas quadras de distância da residência de meus pais, e onde hoje está instalada uma revenda de automóveis, e usava Kichute. O compositor Léo Nogueira, escreveu: “O Kichute era uma espécie de rebento pardo, filho de pai tênis com mãe chuteira, um animal híbrido, imponente como uma pantera, que atuava igualmente em jogos em campos ou quadras”.

 

Se você é homem, faz parte da Geração “enta” (a dos com mais de quarenta anos de idade) e jogou bola em campinho de pelada, talvez se lembre das regras: depois de escolhido os times, dois dos jogadores disputavam no par ou ímpar para ver quem jogaria sem camisa; geralmente o mais ruinzinho de cada time era escalado como goleiro ou adotava-se o rodízio: cada guri atacava até sofrer um gol; as faltas eram marcadas no grito; quem chutava a bola para longe tinha que ir buscá-la; e mesmo que estivesse 10 a 0, a partida acabava com “quem faz, ganha”.

 

Com o passar do tempo, as cidades foram se transformando e os campinhos – lugares de entretenimento, principalmente dos meninos mais pobres –, foram dando lugar a prédios e casas. Restou para a criançada as jogadas, os gols e a vibração da torcida no Playstation. E agora o projeto “Devolvendo campinhos” quer resgatar as boas lembranças de uma galerinha que sonhava em ser Zico e Pelé e que marcou uma geração: os guris que usavam Kichute.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sergio da Silva Ameida
Sobre Sergio da Silva Ameida
Sergio Almeida é escritor e palestrante e, em sua coluna semanal, vai falar sobre Empreendedorismo, Família, Trabalho e muito mais. Acompanhe!
Bento Gonçalves - RS
Atualizado às 22h43 - Fonte: Climatempo
15°
Poucas nuvens

Mín. 12° Máx. 25°

15° Sensação
12.3 km/h Vento
85.1% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (20/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 11° Máx. 26°

Sol com algumas nuvens
Quarta (21/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 25°

Sol e Chuva