Domingo, 11 de Abril de 2021
54 98128.5277
21°

Poucas nuvens

Bento Gonçalves - RS

Dólar com.

R$ 5,68

Euro

R$ 6,75

Peso Arg.

R$ 0,06

Política POLÍTICA

Coluna De Fato é Fato nº 8: Tranquilidade para Diogo na Câmara de Vereadores

Retomamos a partir desta segunda-feira, 25, a coluna semanal de opinião sobre o que acontece no cotidiano político de Bento Gonçalves.

24/01/2021 14h59 Atualizada há 2 meses
72
Por: Redação Fonte: Marcelo Dargelio
Divulgação
Divulgação

O início do governo de Diogo Siqueira na prefeitura de Bento Gonçalves tende a ser tranquilo, pelo menos no que diz respeito a Câmara de Vereadores. A manutenção do presidente Rafael Pasqualotto na presidência do Legislativo (vitória esmagadora de 15 a 2) mostra que a atual administração tem uma esmagadora maioria para aprovar seus projetos. Apenas os vereadores Rafael Fantin (PSD) e Agostinho Petroli (MDB) são oficialmente considerados de oposição ao governo. Entre os que apoiam a ala governista estão os 6 vereadores do Progressistas e os 2 do PSDB. Só aí já são 8 nomes para a aprovação de projetos, entre os 16 parlamentares que votam. Outros 6 vereadores também devem votar com o governo, desde que o projeto apresente o mínimo de coerência.

Moisés Scussel na Assembleia Legislativa e de volta ao MDB

O ex-vereador Moisés Scussel Neto está trabalhando na Assembleia Legislativa. Ele é o mais novo assessor do deputado estadual Carlos Búrigo (MDB). Scussel será os olhos do parlamentar na Serra Gaúcha, levantando demandas dos municípios para serem discutidas na Assembleia por meio do deputado. A nomeação também marca o retorno do ex-vereador ao seu antigo partido, o MDB. No ano passado, Scussel deixou o PSDB e foi para o Republicanos, com a expectativa de uma composição com seu nome para uma candidatura em chapa majoritária nas eleições municipais em Bento Gonçalves, o que acabou não acontecendo. Nas eleições, o ex-vereador já havia participado da coordenação de campanha do então candidato Alcindo Gabrielli, o que já demonstrava sua intenção de retornar à velha casa partidária. 

Dificuldade em desapegar do cargo

Parece que o ex-prefeito Guilherme Pasin está com dificuldade em desapegar do antigo cargo. Mesmo tendo deixado o comando da prefeitura em 31 de dezembro, o ex-prefeito parece ter uma necessidade de "ser lembrado" pela população. Em pelo menos duas oportunidades, Pasin já foi visto compartilhando o espaço com o atual prefeito Diogo Siqueira. Alguns podem até dizer: "E não pode o ex-prefeito caminhar pela cidade?".  Claro que pode, e deve. Porém, aos olhos de muitas pessoas, fica um pouco demais o prefeito acompanhar atividades da prefeitura, como se ainda fosse o chefe do Executivo. Mesmo sem intenção, Guilherme Pasin é uma sombra muito grande para quem está assumindo a prefeitura, mesmo tendo sido sua a indicação de Diogo para a candidatura. Talvez fosse a hora de deixar o novo prefeito respirar e andar com as próprias pernas, sem a "ameaça visual" de seu antecessor.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, céu, barba e atividades ao ar livre















Você votaria em Luciano Huck?

Faltando pouco mais de um ano para as eleições para presidente da República, parece que o apresentador Luciano Huck está decidido a concorrer no pleito eleitoral de 2022. O grande desejo hoje do grupo político de Huck é encontrar uma forma de acomodar DEM e PSDB numa mesma candidatura. Por isso, o nome de Eduardo Leite (PSDB-RS) passou a circular nas conversas (teria o apoio reservado de FHC). Só está faltando combinar com o governador de São Paulo, João Dória, que já se coloca como ficha 1 do PSDB para concorrer à presidência. Segundo interlocutores do apresentador, o maior desafio (e talvez o mais difícil) de Huck já não é mais da ordem do “querer”: é viabilizar sua candidatura. Ainda sem prazos e acertos, está se mexendo para acomodar personagens sem pulverizar o campo do centro.

Quem fim deu o Partido Novo?

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo

Nos anos de 2017 e 2018, podemos dizer que o Partido Novo surgiu como a sigla da moda. Simbolizado na cor laranja, o partido teve repercussão nacional e ganhou o apoio de uma parte do empresariado que pretendia ver um Brasil mais dinâmico e menos político. No Rio Grande do Sul, o nome mais expressivo segue sendo do deputado federal Marcel Van Hatem. Além dele, há representatividade dos deputados estaduais Fabio Ostermann e Giuseppe Riesgo, 2 vereadores em Porto Alegre, 2 vereadores em Caxias do Sul e 1 em Santa Cruz do Sul e 1 em Canoas. Em Bento Gonçalves, um dos principais nomes era do agora vereador Rafael Fantin, o Dentinho, que precisou ir para o PSD para concorrer. Porém, o sonho do partido em crescer na Capital do Vinho continua. Segundo Marcelo Carraro, um dos representantes da sigla na cidade, o partido já trabalha para realizar o processo seletivo de um candidato a deputado nas eleições em 2022. O objetivo é fortalecer a base partidária para consolidar a criação de um diretório municipal e ter candidatos do Novo nas eleições municipais de 2024.

BOCA NO TROMBONE

"Os prefeitos vão entrando e empurrando um para o outro esse problema. Tem que resolver de uma vez, o povo está esperando há mais de 20 anos. Tem que ter pulso firme e tomar uma decisão", Antônio Francisco de Paula Filho, 73 anos, sobre o descaso com o Lago da Fasolo.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.