Segunda, 20 de Setembro de 2021
16°

Pancada de chuva

Bento Gonçalves - RS

Região Crime bárbaro

Homem que matou o próprio filho de 2 anos em Garibaldi é considerado com problemas psiquiátricos

Bruno Braz Parisotto, de 39 anos, está internado no Instituto Psiquiátrico Forense e foi considerado sem condições psicológicas de viver em sociedade.

27/07/2021 às 16h26 Atualizada em 28/07/2021 às 10h24
Por: Redação Fonte: NB Notícias
Compartilhe:
Homem que matou o próprio filho de 2 anos em Garibaldi é considerado com problemas psiquiátricos

Bruno Braz Parisotto, de 39 anos, autor do crime que chocou Garibaldi ao matar seu próprio filho, de apenas 2 anos na madrugada de 3 dezembro de 2020, foi considerado inimputável perante à justiça (pessoa que será isenta de pena em razão de doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado que, ao tempo da ação ou omissão, não era capaz de entender o caráter ilícito do fato por ele praticado ou de determinar-se de acordo com esse entendimento). O laudo foi feito por um psiquiatra forense e impede que ele seja levado a julgamento pelo crime cometido contra o menino Rafael.

De acordo com informações obtidas com exclusividade pelo NB Notícias, Bruno Parisotto está internado no Instituto Psiquiátrico Forense (IPF), em Porto Alegre. O laudo atestando as condições dele foram feitas pelo médico psiquiatra Hélvio Carpim Correa. Segundo o médico, Parisotto é portador de uma doença mental que deve ser caracterizada como uma patologia capaz de provocar feridas profundas no teste de realidade, como ocorreu no momento em que ele cometeu o crime. "Diante do exposto, deve-se entender que há nexo causal entre a sua doença mental e o delito cometido, devendo ser considerado totalmente inimputável para a ação delituosa", diagnosticou o profissional.

O laudo médico foi dado antes mesmo da audiência de instrução, realizada na semana passada de forma on-line. Parisotto está no IPF desde que foi preso pela morte de seu filho. A remoção ao IPF se deu logo após Parisotto ter tentado agredir cinco agentes penitenciários. Ele entrou em surto e partiu para cima dos agentes de segurança, sendo contido por meio do uso moderado da força. Na oportunidade, o juiz de ofício alegou incidente de insanidade mental, ordenando sua remoção para o instituto psiquiátrico em Porto Alegre.

O crime

O menino Rafael Parisotto, de apenas 2 anos, foi morto por volta das 3h, na casa de Bruno, na Rua Angelo Breda, no bairro Integração, em Garibaldi. Na oportunidade, vizinho perceberam que Bruno estava andando sem roupas pelo bairro e chamaram a polícia e uma ambulância. Após ele ter sido levado ao hospital, um vizinho, o irmão de Bruno e a cunhada dele e encontraram o menino Rafael já sem vida na cozinha da casa. Ele levou uma facada na região do abdômen e foi estrangulado com uma sacola plástica.

Posteriormente, o delegado da Polícia Civil, Clóvis Rodrigues, indiciou o pai pela morte do filho e remeteu o inquérito à justiça. Por mais de seis meses, nenhuma palavra foi dita por Bruno. Na audiência de instrução, Bruno Parisotto revelou que não se lembrava do que tinha acontecido. O mesmo disseram o irmão e a cunhada dele.  

De acordo com o advogado de Juliana Correa da Silva, mãe do menino Rafael, Luiz Carlos Tibúrcio da Silva Junior, a sentença judicial deve ser anunciada no prazo de até dois meses. Com o laudo de inimputabilidade, o advogado acredita que Bruno Parisotto permanecerá internado no Instituto Psiquiátrico Forense (IPF). Apesar dessa decisão já estar definida, o advogado de Juliana não está satisfeito. Ele considera estranho a família inteira de Bruno não se lembrar o que aconteceu entre às 19h e 3h, horário em que Rafael foi morto. Segundo o advogado, Bruno Parisotto estava agindo de forma estranha ao longo de todo o dia e, mesmo assim, não foi feito nenhum movimento pela família dele para salvar a vida do menino Rafael. "Por volta do meio-dia, antes do crime, o irmão e a esposa perseguiram Bruno Parisotto pelas ruas da cidade, mas não conseguiram encontrá-lo. Há mais coisas que aconteceram antes do crime que precisamos saber", destacou o advogado.

O advogado destaca alguns fatos que colocam em xeque os motivos do porque a família de Bruno Parisotto não fez nada para salvar a vida do menino Rafael. O advogado questiona que, em primeiro lugar, no dia do assassinato, a família passou o dia todo procurando por Bruno. Além disso, nenhum familiar paterno informou a mãe Juliana sobre o surto que Bruno teria tido ao longo do dia. Apesar das inúmeras ligações feitas pela mãe do menino para o irmão de Bruno, o mesmo, a partir das 19h, disse em depoimento não se recordar do conteúdo da conversa que teve com Juliana. Outro fato a ser considerado é que, apesar de chamar a polícia diante do surto do irmão, ele não informou aos policiais sobre o menino Rafael estar na residência. O menor foi descoberto por um vizinho após a condução de Bruno para um hospital.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Garibaldi - RS
Garibaldi - RS
Sobre o município A cidade de Garibaldi conta com mais de 35 mil habitantes atualmente. O município é conhecido como a capital nacional do champanha (espumante). Com 120 anos de história, Garibaldi guarda, em sua arquitetura antiga, nas igrejas que representam o centro dos povoados, nos capitéis de beira de estradas do interior, pedaços de história de sua origem e de seu povoamento. Privilegiada em belezas naturais, localiza-se na região denominada Encosta Superior do Nordeste, no Rio Grande do Sul.
Bento Gonçalves - RS Atualizado às 18h07 - Fonte: ClimaTempo
16°
Pancada de chuva

Mín. 14° Máx. 27°

Ter 18°C 10°C
Qua 20°C 7°C
Qui 19°C 9°C
Sex 21°C 11°C
Sáb 23°C 11°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete