Sábado, 15 de Maio de 2021
54 98128.5277
20°

Poucas nuvens

Bento Gonçalves - RS

Dólar com.

R$ 5,27

Euro

R$ 6,4

Peso Arg.

R$ 0,06

Geral Empreendedorismo

A lição do catador

O escritor e palestrante Sérgio da Silva Almeida estreia sua coluna falando sobre o que é, ou não, serviço essencial. Boa leitura.

22/03/2021 11h00 Atualizada há 2 meses
362
Por: Redação Fonte: Sergio da Silva Almeida
A lição do catador

Em várias cidades do Brasil ocorreram carreatas em defesa, entre outras pautas, da reabertura do comércio. “A morte de um CNPJ significa a morte de vários CPFs”, alertam os manifestantes.

Desde que foi instalada a pandemia, temos ouvido discussões sobre o que é ou não serviço “essencial”. E muitos, na hora de impor sua interpretação, não estão levando em conta que todo trabalho que leva sustento para a família deve ser considerado essencial. Para verificar se isso é verdade, basta observar a imagem que está rolando nas redes sociais de um vendedor de água de coco que afixou um cartaz em sua barraca com a frase: “VENDER COCO É ESSENCIAL PRA MIM”.

Prover as necessidades básicas da família sem trabalho, sem renda e sem reserva financeira é uma missão quase impossível. Um texto postado pelo amigo Paulo Ribeiro Silva, fisioterapeuta de Cachoeira do Sul, em sua página no Facebook mostra bem isso: “Um amigo me contou que está vivendo dias difíceis sem poder abrir as portas de sua barbearia. O aluguel do prédio está vencido, e ele tão cedo não terá condições de pôr em dia. O pouco de dinheiro que tem entrado é de trabalhos que tem feito a domicílio. Aos domingos, oferece corte de gramas. Já comunicou à esposa que vai colocar o carro à venda”.

As pessoas estão passando por momentos difíceis que não sabemos nada a respeito. Não é hora de ódio, de críticas, de pensar só em si, e sim de respeitar o que o outro está sentido. E se oferecer para ajudar. Outro dia, eu estava no caixa do supermercado e vi um catador de material reciclável na fila segurando dois produtos. Quando paguei as compras, a atendente me informou que faltava dinheiro. Como não levei cartão, devolvi um item, e ela me deu o troco dos demais. Com o troco, paguei os itens do catador. Ele pulou de alegria! E ao me ver saindo, avisou: “O senhor esqueceu um item”. Eu expliquei: “Faltou grana!”. Ele disse à atendente: “Deixa ele levar que eu pago!”. Claro que eu não aceitei e nos despedimos com um “soquinho”. O catador seguiu o seu caminho, puxando seu carrinho abarrotado de papelão e latinhas. E eu voltei para casa com a lição: em tempos de pandemia, mais do que nunca, precisamos nos colocar no lugar do outro.

Clique aqui e siga o colunista Sérgio Almeida no Facebook

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sergio da Silva Ameida
Sobre Sergio da Silva Ameida
Sergio Almeida é escritor e palestrante e, em sua coluna semanal, vai falar sobre Empreendedorismo, Família, Trabalho e muito mais. Acompanhe!
Bento Gonçalves - RS
Atualizado às 17h43 - Fonte: Climatempo
20°
Poucas nuvens

Mín. Máx. 23°

20° Sensação
11.3 km/h Vento
80.7% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (16/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 24°

Sol com algumas nuvens
Segunda (17/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 22°

Sol com muitas nuvens